Golpe com Pix cria mercado ilegal de aluguel de contas para criminosos

Covid-19 não é doença ocupacional, decide 11ª Turma do TRT/SP
1 de novembro de 2021
STJ – 3ª TURMA – CDI É VÁLIDO COMO INDEXADOR – OPERAÇÕES DE CRÉDITO
9 de novembro de 2021

Golpe com Pix cria mercado ilegal de aluguel de contas para criminosos

Policiais civis de São Paulo foram acionados, no início de julho deste ano, para acompanhar o sequestro-relâmpago em andamento da filha de um diretor aposentado do Bradesco.

A moça estava desaparecida havia 6 horas e R$ 51 mil já tinham sido transferidos das contas dela, via Pix, para dois desconhecidos.

A investigação de documentos usados para abertura das contas levou os policiais a um endereço de Guarulhos.

Lá, segundo registros oficiais, os investigadores encontraram Willian Anastácio da Silva, 24, que admitiu ter criado contas com nomes de laranjas para alugar a criminosos ligados a sequestro-relâmpago e ficar com parte do dinheiro dos crimes. Silva, segundo policiais ouvidos pela Folha, faz parte de um intenso mercado ilegal de aluguel de contas bancárias que impulsionam uma série de crimes cometidos em São Paulo com uso do Pix, como sequestro-relâmpagos, roubos e golpes cometidos após o desvio de aparelhos celulares.

A porcentagem varia de 5% a 20%, a depender do montante repassado pelos criminosos, segundo os policiais ouvidos pela reportagem.

Ainda segundo Monteiro existem duas modalidades de contas usadas pelos “conteiros” nesse mercado criminoso. As contas quentes, em que a pessoa empresta a própria conta para receber o dinheiro, e as frias, criadas pelos criminosos com o uso de dados de pessoas inocentes.

Fonte: https://bit.ly/3GOnJgd