Quando bancos e fintechs não têm razão, o que dá pra fazer?

TST – Bancário que exerceu função de confiança por mais de dez anos não incorporará gratificação
11 de outubro de 2021

Quando bancos e fintechs não têm razão, o que dá pra fazer?

A disputa entre uma entidade tradicional que representa grandes bancos e uma recém criada associação formada pelas fintechs recentemente travaram uma discussão pública em uma rede social.

O estopim da conversa veio de um estudo do Idec apontando aumento de tarifas pelos “bancões” no último ano. A Zetta, entidade das fintechs, cutucou a Febraban, que respondeu alegando que a principal empresa novata desafiante, o Nubank, cobra juros mais caros que os bancões no cartão de crédito. 

Especialistas apontam que é preciso ficar atento à propaganda sedutora tanto dos bancos como das fintechs, que se utilizam de propagandas para que o cliente se endivide. Casos de venda casada também são um problema crônico. 

Bastaria o Banco Central conduzir uma análise de dados profunda para verificar a coincidência entre as vendas de produtos e notar que é algo amplamente disseminado, e não uma conduta pontual de um funcionário ou outro. 

Nossa opinião: se associe a uma cooperativa de crédito.

Fonte: Valor